segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Liturgia: Vasos Liturgicos

Muitas das vezes ao irmos na igreja assistir uma missa, não percebemos a presença de simples objetos utilizados no culto ou simplesmente não entendemos muitos dos quais percebemos. Vamos a partir de agora nos aprofundar sobre os objetos litúrgicos, os quais também chamamos Vasos Litúrgicos, para melhor aproveitar o significado das celebrações.






Existem três classes de objetos litúrgicos:




  1. Os que são consagrados para o culto divino



  2. Os que apenas são benzidos





  3. Os vasos, ou melhor os objetos litúrgicos que não são nem consagrados ou benzidos





A) Vasos sagrados: Cálice e Patena






O cálice é um vaso sagrado que se usa no Santo Sacrifício da Missa, para a consagração do vinho no sangue do Senhor. Sua forma variou muito com o passar dos séculos. Enquanto vigorou a comunhão sob as duas espécies, os cálices eram grandes. Chamavam-se ministeriais. Eram providos de duas asas para facilitar seu transporte. Tinham essas dimensões enormes devido um grande número de comungantes. Desde que ficou privada aos leigos a comunhão sob as duas espécies, reduziu-se o tamanho do cálice e sumiram-se as asas, já que agora eram desnecessárias.






Nos oitos primeiros séculos, não se havia regra sobre a matéria para a confecção dos cálices. Por isso, nessa época aparecem cálices de diversos materiais: madeira, mármore, ágata, cobre, estanho; muito mais vezes, porém, são de vidro, de cristal, de ouro e prata.



Segundo as normas litúrgicas da igreja em vigor atualmente, a Igreja exige que a copa do cálice seja de ouro ou de prata dourada no seu interior (em caso de pobreza pode-se empregar estanho dourado).



A consagração do cálice é executada pelo bispo, único com poderes para fazer essa consagração. O cálice perde a consagração quando: a). Quando sofreu lesões ou mutações que lhe tiraram a forma primitiva e o tornaram impróprio para o uso a que se destinava. b). Quando lhe foi dado um mal uso ou foi posto a venda. O cálice e a patena não perdem sua consagração pelo uso constante ou se for reformado.






A Patena (do latim "patina", prato) é uma espécie de prato de forma redonda que serve para receber a sagrada Hóstia. A patena outrora era um prato de grandes dimensões, no qual os fiéis depositam os pães trazidos para serem consagrados. Era a patena ministerial, correspondente ao cálice de igual nome. Hoje o tamanho é bastante reduzido, proporcional a copa do cálice. Sua consagração se dá apenas pelo bispo, conforme o cálice.






Um comentário:

Paulo César disse...

Interessante essa pequena história do cálice e patena, eu não sabia. é algo que pode gerar assunto nas reuniões entre os amigos nas paróquias e matar a curiosidade de algumas pessoas, especialmente coroinhas e seminaristas. gostei.